“ESTA É A MINHA HISTÓRIA”: RELATO DE EXPERIÊNCIA DE RESGATE DA MEMÓRIA ORGANIZACIONAL NO SENADO FEDERAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51206/elegis.v15i38.761

Palavras-chave:

Gestão do Conhecimento, Memória Organizacional, Senado Federal

Resumo

O presente relato da experiência “Esta é a Minha História”, de resgate da memória de servidores aposentados do Senado Federal, à luz da literatura de Gestão do Conhecimento nas organizações. O método é de análise documental, a partir de dispositivos institucionais e da obra em si. A análise sugere que a ação se configura em um bom exemplo de preservação de memória organizacional no setor público, em consonância com a literatura e com os valores e planejamento estratégico da instituição. Foram identificadas as etapas de socialização, externalização e combinação do modelo dinâmico de criação do conhecimento, e que a iniciativa gerou um sentimento de pertencimento a um público que antes recebia pouca atenção da Administração. A contribuição do relato é metodológica, a partir de detalhamento de ações que podem servir de inspiração a iniciativas de outras instituições públicas, na valorização de seu corpo funcional aposentado.

Biografia do Autor

Ilana Trombka, FGV-EAESP

Doutoranda em Administração pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV-EAESP), Mestre em Comunicação Social pela Pontifí­cia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), especializada em Direito Legislativo pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), graduada em Relações Públicas (PUCRS) e Diretora-Geral do Senado Federal.

Paulo Ricardo dos Santos Meira, Instituto Legislativo Brasileiro

Mestre e Doutor em Marketing pelo Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGA/UFRGS), Bacharel em Comunicação Social – habilitação Publicidade e Propaganda – pela UFRGS e Assessor Técnico da Secretaria de Gestão de Pessoas do Senado Federal.

Referências

ALVES, J. C. Gerenciamento de Projetos, Fácil e Prático: 5 Princípios para o Sucesso do(a) Gerente. Brasília: Verbena Editora, 2018.

ANTONELLO, C. S. Desenvolvimento de Projetos e Aprendizagem nas Organizações. In: Antonello, C. S. et al. (Org.) Aprendizagem organizacional no Brasil. Porto Alegre: Bookman, 2011.

ANTONELLO, C. S.; GODOY, A. S. Aprendizagem organizacional e as Raízes de Sua Polissemia. In: ANTONELLO, C. S. et al. (Org.) Aprendizagem organizacional no Brasil. Porto Alegre: Bookman, 2011.

ARGYRIS, C. Ensinando pessoas inteligentes a aprender. In: Gestão do conhecimento. Coleção Harvard Business Review (p. 185-203). Rio de Janeiro: Campus, 2000.

BOTELHO, L. L. R.; VOGT, P., KAPELINSKI, F; KARNIKOWSKI, E. A., OLEGÁRIO, C. B. B.; EBERHARDT, G. M. Memória organizacional e o processo de gestão do conhecimento da Cooperativa de Trabalho de Catadores Unidos pela Natureza. COLÓQUIO - Revista do Desenvolvimento Regional, v. 18, n. 1, p. 206-220, 2021.

BOYD, H.; WESTFALL, R.; STASCH, S. Marketing research: Text and cases (7th ed.). Irwin (Homewood, Ill.), USA, 1989.

BRASIL. SENADO FEDERAL. Carta de Compromissos dos Servidores do Senado Federal. Ato da Comissão Diretora nº 5, de 5 de maio de 2015. [Boletim Administrativo do Senado Federal de 5 maio de 2015].

COELHO, F. A., Jr. Descomplicando o Pensar Científico: provocações esclarecedoras para você refletir sobre sua pesquisa (1ª ed). Curitiba: CRV, 2020.

COOPER, R. C.; SCHINDLER, P. S. Métodos de Pesquisa em Administração (12ª ed.) Porto Alegre: AMGH, 2016.

CRANS, S.; BUDE, V.; BEAUSAERT, S.; SEGERS, M. Social informal learning and the role of learning climate: Toward a better understanding of the social side of learning among consultants. Human Resource Development Quarterly, v.22, n.83, p.17-32, 2021.

DAMIAN, I. P. M.; MORO-CABERO, M. M. Diretrizes estratégicas baseadas nos fatores críticos de sucesso da gestão do conhecimento voltadas às características da memória organizacional. Informação & Sociedade, v. 30, n. 2, p. 36-49, 2020.

DAVILA, G. A; FRAGA, B. D.; DIANA, J. B.; SPANHOL, F. J. O Ciclo de Gestão do Conhecimento na Prática: Um Estudo nos Núcleos Empresariais Catarinenses In: International Journal of Knowledge Engineering and Management (IJKEM), v.3, n. 7, p. 43-64, 2015.

FEITOZA, R.; TELMO, F.; SILVA, A.; DUARTE, E. Memória organizacional na perspectiva da gestão de documentos, da informação e do conhecimento. Revista Gestão e Organizações, v.5, n.1, p.123-141, 2020.

HUBER, G. P. Organizational Learning: The Contributing Processes and the Literatures. Organization Science, v 2, n. 1, p.88-115, 1991.

KAJIMOTO, N.; VALENTIM, M. L. P. Aplicação do método storytelling de gestão do conhecimento para a constituição da memória organizacional do movimento Shindo Renmei. Revista Ibero-Americana de Ciência da Informação, Brasília, v.10, n. 2, p.364-387, 2017.

KOROBINSKI, R. R. O grande desafio empresarial de hoje: a gestão do conhecimento. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 6, n. 1, p. 82-96, 2007. MORESI, E. A. Inteligência organizacional: um referencial integrado. Ciência da Informação, Brasília, v. 30, n. 2, p. 54-62, 2001.

NONAKA, I. A Empresa Criadora de Conhecimento. In: Gestão do conhecimento. Coleção Harvard Business Review. Rio de Janeiro: Campus, 2000, p.27-49.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. The Knowledge Creating Company. New York: Oxford University Press, 1995.

OLIVEIRA, Jr., M. M. Competências essenciais e conhecimento na empresa. In M. T. Fleury & M. M. Oliveira Júnior (Orgs.), Gestão estratégica do conhecimento: Integrando aprendizagem, conhecimento e competências (pp. 121-156). São Paulo: Atlas, 2001.

QUINN, J.B.; ANDERSON P.; FINKELSTEIN, S. Gerenciando o intelecto profissional: Obtendo o máximo dos melhores. In: Klein, D. A. (Org). A gestão estratégica do capital intelectual: recursos para a economia baseada em conhecimento. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1998.

ROBBINS, S. P.; JUDGE, T. A.; SOBRAL, F. Comportamento Organizacional: teoria e prática no contexto brasileiro. 14 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.

SCORSOLINI-COMIN, F.; INOCENTE, D. F.; MIURA, I. K. Aprendizagem organizacional e gestão do conhecimento: pautas para a gestão de pessoas. Revista Brasileira de Orientação Profissional, v. 12, n. 2, p. 227-240, 2011.

SENGE, P. M. Fifth discipline: The art and practice of the learning organization. New York: Doubleday, 1990.

SORDI, J.O.; AZEVEDO, M.C. Análise de competências individuais e organizacionais associadas à prática de gestão do conhecimento. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, São Paulo, v. 10, n. 29, P. 391-407, 2008.

SOUZA, Y. S. Organizações de aprendizagem ou aprendizagem organizacional. RAE-eletrônica, v.3, n.1, art.5, jan./jun., n.p., 2004. Disponível em: Organizações de aprendizagem ou aprendizagem organizacional (scielo.br) Acesso em: 18 mar. 2021.

SPENDER, J.C. Gerenciando Sistemas de Conhecimento. In: Fleury, M. T. L., Oliveira, M. M. Gestão Estratégica do Conhecimento. São Paulo: Atlas, 2001.

VARGAS-HERNÁNDEZ, J. G. Strategic Implications of Organizational Culture, Knowledge, Learning Organizations, and Innovation on Sustainable Organizations. In M. Ali (Eds.), Remote Work and Sustainable Changes for the Future of Global Business. IGI Global, 2021, p.96-118.

Downloads

Publicado

2022-06-22

Como Citar

Trombka, I., & Meira, P. R. dos S. (2022). “ESTA É A MINHA HISTÓRIA”: RELATO DE EXPERIÊNCIA DE RESGATE DA MEMÓRIA ORGANIZACIONAL NO SENADO FEDERAL. E-Legis - Revista Eletrônica Do Programa De Pós-Graduação Da Câmara Dos Deputados, 15(38), 385–401. https://doi.org/10.51206/elegis.v15i38.761

Edição

Seção

Relatos de Experiências