OS SIGNIFICADOS DE RIGIDEZ CONSTITUCIONAL

Autores

Palavras-chave:

Rigidez constitucional, Supremacia da Constituição, Emenda à Constituição, Controle de constitucionalidade

Resumo

A ideia de rigidez constitucional é tradicionalmente vista em relação a uma Constituição rígida,
que exige o cumprimento de solenidades para sua alteração. Na perspectiva dos mecanismos de proteção constitucional (o controle de constitucionalidade) é que surge um significado a mais para rigidez constitucional, este ligado à proteção contra atos inconstitucionais. É sobre esses dois significados de rigidez constitucional que este artigo tratará.

Biografia do Autor

Felipe Bizinoto Soares de Pádua, Faculdade de Direito de São Bernardo do CampoInstituto de Direito Público de São Paulo/Escola de Direito do Brasil

Mestrando em Direito, Justiça e Desenvolvimento pelo Instituto de Direito Público de São Paulo (IDPSP) (2021-)."¯Pós-graduado em Direito Constitucional e Processo Constitucional, em Direito Registral e Notarial, em Direito Ambiental, Processo Ambiental e Sustentabilidade, tudo"¯pelo Instituto de Direito Público de São Paulo/Escola de Direito do Brasil (IDPSP/EDB) (2019)."¯Graduado em Direito pela Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo (FDSBC) (2017). É monitor voluntário nas disciplinas Direito Constitucional I e Prática Constitucional, ministradas pela"¯Profª. Dra. Denise"¯Auad, na Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo."¯É monitor voluntário do grupo de estudos Cidadania Plena da Criança e do Adolescente – Estudos sobre a Violência, da Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo."¯É membro do grupo de pesquisa Hermenêutica e Justiça Constitucional: STF, da Pontifí­cia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP), e membro do grupo de pesquisa Direito Privado no Século XXI, do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP). Foi auxiliar de coordenação no Núcleo de Estudos Permanentes em Arbitragem (NEPA), da Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo (2018)."¯Foi articulista da edição eletrônica do Jornal Estado de Direito"¯(2020-2021). Advogado."¯E-mail: bizinoto.felipe@hotmail.com.

Referências

ATALIBA, Geraldo. República e Constituição. 3. ed. São Paulo: Malheiros, 2011.

ÁVILA, Humberto. Teoria dos princípios: da definição à aplicação dos princípios jurídicos. 17. ed. São Paulo: Malheiros, 2016.

AZEVEDO, Antonio Junqueira de. Negócio jurídico: existência, validade e eficácia. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

BARCELLOS, Ana Paula de. A eficácia jurídica dos princípios constitucionais: o princípio da dignidade da pessoa humana. 3. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2011.

BARROSO, Luís Roberto. Curso de Direito Constitucional contemporâneo: os conceitos fundamentais e a construção do novo modelo. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2015.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ Constituiçao.htm. Acesso em 26 jun. 2021.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso especial n. 1.185.474 – Santa Catarina. Relator Ministro Humberto Martins. Julgado em 20/04/2010. DJE: 29/04/2010. Brasília: DF, [2010a]. Disponível em: https://scon.stj.jus.br/SCON/pesquisar.jsp. Acesso em 26/06/2021.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Agravo regimental no recurso especial n. 1.136.549 – Rio Grande do Sul. Relator Ministro Humberto Martins. Julgado em 08/06/2010. DJE: 21/06/2010. Brasília: DF, [2010b]. Disponível em: https://scon.stj.jus.br/SCON/pesquisar.jsp. Acesso em 26 jun. 2021.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Agravo regimental no recurso extraordinário n. 404.276. Relator Ministro Cezar Peluso. Julgado em 10/03/2009. DJ: 17/04/2009. Brasília: DF, [2009a]. Brasília: DF, [2009b]. Disponível em: https://jurisprudencia.stf.jus.br/pages/search?classeNumeroIncidente=595595&base=acordaos&pesquisa_inteiro_teor=false&sinonimo=true&plural=true&radicais=false&buscaExata=true&page=1&pageSize=10&sort=_score&sortBy=desc&isAdvanced=true Acesso em 26 jun. 2021.

BOBBIO, Norberto. Teoria do ordenamento jurídico. Tradução de Ari Marcelo Solon. São Paulo: EDIPRO, 2011.

CAPPELLETTI, Mauro. O controle judicial de constitucionalidade das leis no Direito Comparado. Aroldo Plínio Gonçalves. Porto Alegre: Sérgio Antonio Fabris, 1984.

CORDEIRO, António Manuel da Rocha e Menezes. Da boa fé no Direito Civil. 7. reimpressão. Coimbra: Almedina, 2017.

CRISAFULLI, Vezio. Disposizione (e norma). In: Enciclopedia del Diritto. Milano: A. Giuffrè, 1964.

DALLARI, Dalmo de Abreu. A Constituição na vida dos povos: da idade média ao século XXI. São Paulo: Saraiva, 2010.

ENGISCH, Karl. Introdução ao pensamento jurídico. 11. ed. João Baptista Machado. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2014.

GRAU, Eros Roberto. Por que tenho medo de juízes (a interpretação/aplicação do Direito e dos princípios). 9. ed. São Paulo: Malheiros, 2018.

HESSE, Konrad. A força normativa da Constituição. Tradução de Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Sérgio Antonio Fabris, 1991.

KELSEN, Hans. Jurisdição constitucional. Tradução de Alexandre Krug, Eduardo Brandão e Maria Ermantina de Almeida Prado Galvão. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

KELSEN, Hans. Teoria pura do Direito. 6. ed. Tradução de João Baptista Machado. São Paulo: WMF Martins Fontes, 1998.

LARENZ, Karl. Metodologia da ciência do Direito. 8. ed. Tradução de José Lamego. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2019.

LOEWENSTEIN, Karl. Teoría de la Constitución. Traducción por Alfredo Gallego Anabitarte. Barcelona: Ariel, 1979.

MELGARÉ, Plínio. Direito Constitucional: organização do Estado brasileiro. São Paulo: Almedina, 2018.

MIRANDA, Jorge. Fiscalização de constitucionalidade. Coimbra: Almedina, 2017.

PÁDUA, Felipe Bizinoto Soares de. Afinal, o que é controle de constitucionalidade? Jornal Estado de Direito. Porto Alegre, 17 mar. 2020c. Disponível em: https://www.academia.edu/42961614/Afinal_o_que_%C3%A9_controle_de_constitucionalidade. Acesso em 26 jun. 2021.

PÁDUA, Felipe Bizinoto Soares de. Em busca de uma teoria geral da discricionariedade. Revista de Constitucionalização do Direito Brasileiro (RECONTO). São Paulo, [2021]. Disponível em: http://revistareconto.com.br/index.php/Reconto/article/view/93. Acesso em 26 jun. 2021.

PÁDUA, Felipe Bizinoto Soares de. Uma perspectiva multinível do plano da validade. Revista de Direito Constitucional e Internacional. São Paulo, n. 119, p.77-101, maio-jun., 2020b. Disponível em: http://estadodedireito.com.br/uma-perspectiva-multinivel-do-plano-da-validade/. Acesso em 26 jun. 2021.

PÁDUA, Felipe Bizinoto Soares de. Vamos falar de direitos fundamentais (Parte II): deveres fundamentais e os limites aos direitos fundamentais. Jornal Estado de Direito, Porto Alegre, 01 abr. 2020c. Disponível em: https://www.academia.edu/42961616/Vamos_falar_de_direitos_fundamentais_Parte_II_deveres_fundamentais_e_os_limites_aos_direitos_fundamentais. Acesso em 26 jun. 2021.

PÁDUA, Felipe Bizinoto Soares de; MINHOTO, Vinicius Marinho. Sistema, código e processo constitucional. In: TAVARES, André Ramos; GAMA, Marina Faraco Lacerda (orgs.). Um Código de Processo Constitucional para o Brasil. Belo Horizonte: Arraes, 2021.

PONTES DE MIRANDA, Francisco Cavalcanti. Tratado das ações: tomo I. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1972.

RAMOS, Elival da Silva. Ativismo judicial: parâmetros dogmáticos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2015.

RUSSOMANO, Rosah. Dos Poderes Legislativo e Executivo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1976.

SARLET, Ingo Wolfgang; MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel. Curso de Direito Constitucional. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.

SCHMITT, Carl. O guardião da Constituição. Tradução de Geraldo de Carvalho. Belo Horizonte: Del Rey, 2007.

SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional positivo. 36. ed. São Paulo: Malheiros, 2013.

TEMER, Michel. Elementos de Direito Constitucional. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1984.

VEDEL, Georges. Manuel élementaire de Droit Constitutionnel. Paris: Dalloz, 2002.

Publicado

2022-03-14

Como Citar

Pádua, F. B. S. de . (2022). OS SIGNIFICADOS DE RIGIDEZ CONSTITUCIONAL. E-Legis - Revista Eletrônica Do Programa De Pós-Graduação Da Câmara Dos Deputados, 15(37), 422–434. Recuperado de https://e-legis.camara.leg.br/cefor/index.php/e-legis/article/view/747

Edição

Seção

Artigos