ANÁLISE DA SOBREVIVÊNCIA DE LÍDERES PARTIDÁRIOS NA CÂMARA DOS DEPUTADOS (1995-2014)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51206/elegis.v15i37.717

Palavras-chave:

Liderança partidária, Liderança, Câmara dos Deputados, Análise de sobrevivência, Ideologia partidária

Resumo

O artigo analisa a sobrevivência dos líderes partidários na Câmara dos Deputados (CD). Buscamos responder a questão: quais variáveis impactam no tempo de sobrevivência de um líder partidário? Analisamos os líderes dos principais partidos políticos da CD, com o intuito de testar algumas hipóteses aventadas pela literatura sobre sobrevivência de lideranças políticas. A variável dependente é o número de dias que cada um desses líderes permaneceu a frente de seu partido e as variáveis independentes são: ideologia, experiência e credibilidade política do deputado, período em que assumiu a função, tamanho da bancada e o fato de pertencer a coalizão do governo federal. Os resultados da pesquisa, a partir de modelos de análise de sobrevivência, indicam que o fato do parlamentar assumir o cargo no início da Legislatura e ter expertise incrementa o tempo de sobrevivência, enquanto ser de partido de esquerda tem o efeito inverso.

Biografia do Autor

Bruno Marques Schaefer, UFRGS

Professor Substituto de Ciência Polí­tica na UFRGS e Doutorando em Ciência Polí­tica pela mesma Universidade.

Tiago Alexandre Leme Barbosa, UFRGS

Doutorando do Programa de Pós-Graduação da UFRGS

Vinicius de Lara Ribas, UFRGS

Doutor em Ciência Polí­tica pela UFRGS

Referências

ABRANCHES, Sérgio. Presidencialismo de coalizão: raí­zes e evolução do modelo polí­tico brasileiro. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2018.

AMES, Barry. Os entraves da democracia no Brasil. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2003.

ANDREWS, Josephine T.; JACKMAN, Robert W. If winning isn't everything, why do they keep score? Consequences of electoral performance for party leaders. British journal of political science, v. 38, n. 4, p. 657-675, 2008.

BENNETT, W. Lance. The personalization of politics: Political identity, social media, and changing patterns of participation. The annals of the American academy of political and social science, v. 644, n. 1, p. 20-39, 2012.

BOX-STEFFENSMEIER, Janet M.; BOX-STEFFENSMEIER, Janet M.; JONES, Bradford S. Event history modeling: A guide for social scientists. Cambridge University Press, 2004.

BYNANDER, Fredrik; 'T HART, Paul. The politics of party leader survival and succession: Australia in comparative perspective. Australian Journal of Political Science, v. 42, n. 1, p. 47-72, 2007.

CÂMARA DOS DEPUTADOS (CD). Regimento Interno da Câmara dos Deputados. Brasí­lia: CD, 2017.

CORTEZ, Maysa Cortez. Governabilidade e presidencialismo de coalizão: o desempenho das alianças partidárias no Governo Dilma. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Direito na Universidade Federal do Ceará, 2018.

DOWNS, A. Uma Teoria Econômica da Democracia. São Paulo: EDUSP, 1999.

DUVERGER, M. Os Partidos Polí­ticos. Brasí­lia: UnB, 1980.

ENNSER-JEDENASTIK, Laurenz; MÜLLER, Wolfgang C. Intra-party democracy, political performance and the survival of party leaders: Austria, 1945–2011. Party Politics, v. 21, n. 6, p. 930-943, 2015.

FIGUEIREDO, A.; LIMONGI, F. Executivo e Legislativo na Nova Ordem Constitucional. Rio de Janeiro: FGV, 2001.

HORIUCHI, Y.; LAING, M.; HART, P. Hard Acts to Follow: Explaining Survival Rates of Party Leaders in Parliamentary Democracies. Party Politics, v. 21, n. 3, pp. 357-366, 2013.

INÁCIO, Magna; REZENDE, Daniela. Partidos legislativos e governo de coalizão: controle horizontal das polí­ticas públicas. Opinião Pública, v. 21, n. 2, p. 296-335, 2015.

KIRJAVAINEN, Senni et al. The impact of leadership, management and power in an international knowledge-intensive organization. Cadernos EBAPE. BR, v. 8, n. 2, p. 339-352, 2010.

KRAUSE, S.; MACHADO, C.; MIGUEL, L. Coligações e Disputas Eleitorais na Nova República: Aportes teórico-metodológicos, tendências e estudos de caso. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer; São Paulo: Editora UNESP, 2017.

LINS, Rodrigo.Tempo, tempo, tempo: regressao de Cox na ciência polıtica. Revista Polí­tica Hoje, Early View, 2021.

MAINWARING, S. Rethinking party systems in the third wave of democratization: the case of Brazil. Stanford, CA: Stanford University Press, 1999.

MARENCO, André; SERNA, Miguel. Por que carreiras polí­ticas na esquerda e na direita não são iguais? Recrutamento legislativo em Brasil, Chile e Uruguai. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 22, n. 64, p. 93-113, 2007.

MELO, C. R. Eleições presidenciais, jogos aninhados e sistema partidário no Brasil. Revista Brasileira de Ciência Polí­tica, n. 4, p. 13-41, 2010.

MIRANDA, Geralda Luiza de. A delegação aos lí­deres partidários na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. Revista de Sociologia e Polí­tica, v. 18, n. 37, p. 201-225, 2010.

MORAIS, Leonardo Rodrigues; DA SILVA JÚNIOR, José Alexandre; DOS SANTOS FILHO, Ranulfo Paranhos. Poderosos chefões: a influência do perfil do lí­der sobre a disciplina da bancada. Revista Debates, v. 12, n. 1, p. 169-194, 2018.

NORRIS, P. Recrutamento Polí­tico. Rev. Sociol. Polit., Curitiba, v. 21, n. 46, p. 11-32, 2013.

PEREIRA, C.; MUELLER, B. Partidos fracos na arena eleitoral e fortes na arena legislativa: a conexão eleitoral no Brasil. Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 46, n. 4, 2003.

PERES, P; CARVALHO, E. Religando as arenas institucionais: uma proposta de abordagens multidimensionais nos estudos legislativos. Rev. Sociol. Polit., Curitiba, v. 20, n. 43, p. 81-106, 2012.

RIBEIRO, P. Em nome da coesão: parlamentares e comissionados nas executivas nacionais dos partidos brasileiros. Rev. Sociol. Polit., Curitiba , v. 22, n. 52, p. 121-158, 2014.

RODRIGUES, L. M. Mudanças na classe polí­tica brasileira. São Paulo: Publifolha, 2006.

SCHAEFER, B. 2018. As Lógicas de Distribuição do Fundo Partidário: Centralização e Nacionalização nos partidos brasileiros (2011-2015). Dissertação apresentada no Programa de Pós-Graduação de Ciência Polí­tica da UFRGS.

SILVA JÚNIOR, J. A.; FIGUEIREDO FILHO, D. B. ; PARANHOS, R.; ROCHA, E. C. Quem controla o Legislativo? A ocupação de cargos de comando na Câmara dos Deputados. Paraná Eleitoral, v. 2, p. 283-308, 2013.

SIMONI JR, S.; DARDAQUE, R.; MINGARDI, L. A elite parlamentar brasileira de 1995 a 2010: até que ponto vai í popularização da classe polí­tica? Colombia Internacional, v.87, p.109-143, 2016.

VAN DYJK, C. Party Leader Survival: Identifying the factors influencing the longevity of party leaders"™ tenures in the Netherlands. Tese de Doutorado em Comparative and European Politics. Radboud University Nijmegen, 2013.

Publicado

2022-03-14

Como Citar

Schaefer, B. M., Barbosa, T. A. L., & Ribas, V. de L. (2022). ANÁLISE DA SOBREVIVÊNCIA DE LÍDERES PARTIDÁRIOS NA CÂMARA DOS DEPUTADOS (1995-2014). E-Legis - Revista Eletrônica Do Programa De Pós-Graduação Da Câmara Dos Deputados, 15(37), 140–159. https://doi.org/10.51206/elegis.v15i37.717

Edição

Seção

Dossiê Sistema Polí­tico Brasileiro - CEFOR / IMPA / EPRG-UnB