SAUDADES DO SEU EX? DEPENDÊNCIA CORPORATIVA E DESEMPENHO ELEITORAL DOS CANDIDATOS À REELEIÇÃO (2012-2016)

Autores

  • Erikson Calheiros Universidade Federal da Paraí­ba-UFPB
  • José Alexandre Silva Universidade Federal de Alagoas-UFAL
  • Denisson da Silva Universidade Federal de Alagoas-UFAL
  • Quemuel Baruque Rodrigues Universidade Federal de Pernambuco- UFPE

DOI:

https://doi.org/10.51206/elegis.v15i38.751

Palavras-chave:

Mudança Institucional, Desenho Eleitoral, Eleições Municipais, Incumbents

Resumo

Qual o efeito da dependência corporativa no desempenho eleitoral dos incumbentes? O objetivo desse trabalho é estimar o efeito da dependência corporativa no desempenho eleitoral dos incumbentes na eleição de 2016. Testaremos a hipótese de que a dependência corporativa exerce um efeito negativo e significativo no sucesso eleitoral dos incumbentes. Para tanto, usaremos os dados da eleição para prefeituras municipais em 2012 e 2016 disponibilizados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) usando o pacote da linguagem R electionsBR[1]. Metodologicamente, foi utilizada regressão linear, quantílica e logística. Os principais resultados indicam que: 1) candidatos mais bem votados em 2012 tem maior chance de vitória na eleição de 2016; 2) a correlação entre dependência corporativa e saldo de receita é próxima de zero e 3) a dependência corporativa não tem efeito significativo no desempenho eleitoral e no sucesso eleitoral dos incumbentes em 2016.

Referências

ABRAMOWITZ, Alan I.:Explicando os resultados eleitorais do Senado. The American Political Science Review. Vol. 82, 385-403,1988.

ALDENDERFER, Mark S.; BLASHFIELD, Roger K. "Cluster analysis". Quantitative Applications in the Social Sciences. Thousand Oaks, Sage Publications, 1984.

AMES, B. Entraves da Democracia no Brasil. Tradução de Vera Pereira. Rio de Janeiro, FGV, 2003.

AVELINO, G.; BIDERMAN, C.; BARONE, L. S. "Articulações intrapartidárias e desempenho eleitoral no brasil". Dados, 55, 4: 987-1013, 2012.

AVIS, E.; FERRAZ, C.; FINAN, F.; VARJíO, C. E. "Money and politics: The effects of campaign spending limits on political competition and incumbency advantage". NBER Working Paper, (w23508), 2017.

ASHEORTH, S. Campaign Finance and Voter Welfare with Entrenched Incumbents. American Political Science Review. 100(01):55–68. 2006.

BRAMBOR, T.; CENEVIVA, R. "Reeleição e continuí­smo nos municí­pios brasileiros". Novos Estudos, vol. 93, nº 2, p. 9-31, 2012.

BORBA, F.; VASCONCELLOS, F. A propaganda negativa nas eleições municipais do Rio de Janeiro e de São Paulo. In: Lavareda, A.; Telles, H. S. (orgs.). Como o eleitor escolhe seu prefeito: campanha e voto nas eleições municipais. Rio de Janeiro: Editora FGV, p. 307-344, 2016.

BRASIL. (1997a), "Lei nº 9.504/97". Brasí­lia, Diário Oficial da União. Disponí­vel em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9504.htm, consultado em 25/10/2020.

BRASIL. (2009), "Lei Nº 12.034, de 29 de Setembro de 2009". Brasí­lia, Diário Oficial da União. Disponí­vel em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12034.htm, consultado em 25/10/2020.

CARAMANI, D. "The end of silent elections: the birth of electoral competition, 1832-1915". Party Politics, 9, 4: 411-443, 2003.

CARVALHO, N. R., E no Inicio Eram as Bases:geografia politica do voto e comportamento legislativo no Brasil. Rio de Janeiro, Revan, 2003.

CERVI, E. U. "Financiamento de campanha e desempenho eleitoral no Brasil: análise das contribuições de pessoas jurí­dicas, fí­sicas e partidos polí­ticos í s eleições de 2008 nas capitais de estado". Revista Brasileira de Ciência Polí­tica, vol. 2, nº 4, p. 135-167, 2010.

CERVI, E. U. Financiamento polí­tico e eleitoral no Brasil: das abordagens acadêmicas í s aplicações práticas, o papel do dinheiro na democracia representativa. In: Bonifácio, R.; Casalecchi, G.; De Deus, C. (orgs.). O voto para presidente no Brasil: de 1989 a 2010, condicionantes e fatores explicativos. Teresina: Edufpi, p. 53-92, 2014.

CERVI, E.; SPECK, B. "Dinheiro, tempo e memória eleitoral: os mecanismos que levam ao voto nas eleições para prefeito em 2012". Dados, vol. 59, nº 1, p. 53-90, 2016.

COATE, S. "Political competition with campaign contributions and informative advertising". Journal of the European Economic Association, 2, 5: 772-804, 2004.

CODATO, Adriano; CERVI, Emerson; COSTA; Luiz; PERISSINOTTO, Renato. (2015), Dinheiro, profissão, partido: a vitória na eleição para deputado federal no Brasil em 2010. Revista Sociedade e Estado, n. 1, v.30, 2015. p.189-205.

DA SILVA, G. P. "Mesmas instituições, mesmos resultados? comparando o efeito da competição eleitoral sobre os ní­veis de concentração de votos". Opinião Pública, 23, 3: 682-713, 2017.

DANIEL, K.; LOTT, J. R. "Term limits and electoral competitiveness: Evidence from California"™s state legislative races", In C. K. Rowley (org.), Constitutional Political Economy in a Public Choice Perspective, Dordrecht, Springer,1997.

DELIBERADOR, G.; Komata, N. Reeleição nas eleições municipais de 2008. In: Caggiano, M. (org.). Comportamento eleitoral. Barueri: Manole, p. 63-90, 2010.

FIGUEIREDO FILHO, D. et al. O que Fazer e o que Não Fazer com a Regressão: pressupostos e aplicações do modelo linear de Mí­nimos Quadrados Ordinários (MQO). Revista Polí­tica Hoje, v. 20, n. 1, 2011.

FIGUEIREDO FILHO, D. et al. O elo corporativo? Grupos de interesse, financiamento de campanha e regulação eleitoral. Repositorio Digital da UFPE, Disponí­vel em:https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1301

FIGUEIREDO FILHO, Dalson Britto; SILVA JÚNIOR, José Alexandre da; ROCHA, Enivaldo Carvalho da. "Classificando regimes polí­ticos utilizando análise de conglomerados". Opinião Pública, 18, 1: 109-128, 2012. Consultado em 12/12/2020.

GERBER, Alan. Estimando o efeito dos gastos com campanha nos resultados eleitorais do Senado usando variáveis instrumentais. The American Political Science Review, Vol. 92, 401-411, 1998.

GOSOLOV, G. V. The effective number of parties: A new approach. Party Politics, 16, 2: 171-192, 2010.

GREEN, D. P.; Krasno, J. S. Salvation for the spendthrift incumbent: Reestimating the effects of campaign spending in house elections. American Journal of Political Science, 32, 4: 884-907,1988.

GRIER, K. B. Campaign spending and senate elections, 1978-84. Public Choice, 63, 3: 201-219, 1989.

GUIMARíES, Framcielly, P., NASCIMENTO, Willber, PARANHOS, Ranulfo, SILVA JÚNIOR, J.A, SILVA, Denisson.Meu Dinheiro, Minhas Regras: Tipos de gastos de campanha para prefeito no Brasil (2008-2016). Rev. iberoam. estud. munic. No.19, 2019.

GUJARATI, D. N.; Porter. D. C. Econometria Básica. Tradução de Denise Durante, Mônica Rosemberg, Maria Lúcia G. L. Rosa. 5a edição, Porto Alegre, Amgh, 2011.

HAIR, Joseph; et al. Análise Multivariada de Dados. Tradução de Adonai Schlup Sant"™Anna, 6a edição, Porto Alegre, Bookman, 2009.

HENNIG, Christian; et al. Handbook of cluster analysis. Boca Raton, CRC Press.ed. 2015.

HILBE, J. M. Practical guide to logistic regression. [s.l.] Chapman and Hall/CRC, 2016.

HOLDBROOK, T. M.; VAN DUNK, E. "Electoral competition in the American states". American Political Science Review, 87, 5: 955-962,1993.

JACOBSON, G. C. "The effects of campaign spending in congressional elections". American Political Science Review, 72, 2: 469-491, 1978.

KASSAMBARA, Alboukadel; MUNDT, Fabian. factoextra: Extract and visualize the results of multivariate data analyses. v. 1.0.7, 2020.

KAM, Cindy D., ZECHMEISTER, Elizabeth J. : "name recognition and candidate support". Americam jornal of political Science: n/a. Disponí­vel em https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/ajps.12034, consultado em 24/10/2021, 2016.

KING, G. (1995). Replication, Replication PS: Political Science and Politics 28: 443-

Disponí­vel: http://gking.harvard.edu/gking/files/replication.pdf

GREEN, Donald Ph., KRASNO, Jonathan S.Salvação para o gastador titular: reestimando os efeitos dos gastos com campanha nas eleições legislativas. American Journal of Political Science, Vol. 32,884-907, 1988.

LEMOS,Leany; MARCELINO, Daniel; PEDERIVA, João. Porque dinhei­ro importa: a dinâmica das contribuições eleitorais para o Congresso Nacional em 2002 e 2006. Opinião Pública, Campinas, v. 16, n. 2. 2010.

LOTT, J. R. Campaign finance reform and electoral competition. Public Choice, 129, 3-4: 263-300, 2006.

LOTT JR, J. R. The effect of nontransferable property rights on the efficiency of political markets: Some evidence. Journal of Public Economics, 32, 2: 231-246,1987.

MANCUSO, W. P. Investimento eleitoral no brasil: balanço da literatura (2001-2012) e agenda de pesquisa. Revista de Sociologia e Polí­tica, 23, 54: 155-183, 2015.

MARENCO, A., SERNA Miguel Por que carreiras polí­ticas na esquerda e na direita não são iguais? Recrutamento legislativo em Brasil, Chile e Uruguai. Rev. Bras. Ci. Soc. vol.22 n°64: 1806-9053 São Paulo, 2007.

MEIRELES, Fernando; SSILVA, Denisson; COSTA, Beatriz. electionsBR: R functions to download and clean Brazilian electoral data. Disponí­vel em http://electionsbr.com, consultado em 25/10/2020, 2016.

MILLIGAN, K.; REKKAS, M. Campaign spending limits, incumbent spending, and election outcomes. Canadian Journal of Economics/Revue canadienne d"™economique, 41, 4: 1351-1374, 2008.

NICOLAU, J. O sistema eleitoral de lista aberta no brasil. Dados, 49(4):689-720, 2006.

PALDA, K. F., PALDA, K. S. Ceilings on campaign spending: Hypothesis and partial test with Canadian data. Public Choice, 45, 3: 313-331, 1985.

PASTINE, I.; PASTINE, T. Politician preferences, law-abiding lobbyists and caps on political contributions. Public Choice, 145, 1-2: 81-101, 2010.

PASTINE, I.; PASTINE, T. Incumbency advantage and political campaign spending limits. Journal of Public Economics, 96, 1-2: 20-32, 2012.

PEIXOTO, V. d. M.; GOULART, N. L. M. Evolução da competição eleitoral municipal no brasil (1996 a 2012). Teoria & Pesquisa: Revista de Ciências Sociais, 23, 2: 82-106, 2014.

PRAT, A. Rational voters and political advertising. D. A. Wittman & B. R. Weingast. Oxford handbook of political economy, Oxford, Oxford University Press, 2004.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing. Disponí­vel em https://www.r-project.org/, consultado em 25/10/2020, 2020.

RAMALHO, Renan. Supremo proí­be doação de empresas para campanhas eleitorais. G1, 17 set. (polí­tica), 2015.

SAMUELS, David. Incumbents and Challengers on a Level Playing Field. The Journal of Politics, vol. 63, no 2, pp. 569-584. 2001.

SILVA JUNIOR, J. A. d.; MORAIS, L. R.; PARANHOS, R.; LIMA, A. F. The presence of incumbents electoral competition and reelection in brazil (1990-2014). Brazilian Political Science Review, 14, 1, 2020.

SILVEIRA, F. E. 2000. A dimensão simbólica da escolha eleitoral. In: FIGUEREDO, R. (org). Marketing polí­tico e persuasão eleitoral. São Paulo : Fundação Konrad Adenauer.

SMITH, B. A. Campaign finance regulation: faulty assumptions and undemocratic consequences. Cato Institute Policy Analysis, 238,1995.

SPECK, Bruno W.; MARCIANO, J. L. O perfil da Câmara dos Deputados pela ótica do financiamento das campanhas. Disponí­vel em ResearchGate: www.researchgate.net/publication/275957697. 2015.

SPECK, Bruno W. Recursos, partidos e eleições: o papel do financiamento privado, do Fundo Partidário e do horário gratuito na competição polí­tica no Brasil, em: Lúcia Avelar, Antônio Octavio Cintra (org.). Sistema polí­tico brasileiro: uma introdução, 3ª.ed. Rio de Janeiro, Konrad Adenauer Stiftung; São Paulo, Editora UNESP, 2015, p. 247-270. 2015

STOCK, J. H.; WATSON, M. W.; LARRION, R. S. Introduccí­on a la econometrí­a. Tradução de Marí­a Arrazola Vacas & Leticia Rodas Alfaya, 3a edição, Madrid, Pearson, 2012.

TABACHNICK, B. G.; FIDELL, L. S. Using multivariate statistics. [s.l.] Allyn & Bacon/Pearson Education, 2007.

WALSH, A. Teaching understanding and interpretation of logit regression. Teaching

Sociology, p. 178–183, 1987.

WITTMAN, D. Candidate quality, pressure group endorsements, and uninformed voters. Santa Cruz, University Of California, 2001.

Publicado

2022-06-22

Como Citar

Calheiros, E., Silva, J. A., Silva, D. da, & Rodrigues, Q. B. (2022). SAUDADES DO SEU EX? DEPENDÊNCIA CORPORATIVA E DESEMPENHO ELEITORAL DOS CANDIDATOS À REELEIÇÃO (2012-2016). E-Legis - Revista Eletrônica Do Programa De Pós-Graduação Da Câmara Dos Deputados, 15(38), 201–225. https://doi.org/10.51206/elegis.v15i38.751

Edição

Seção

Artigos