GEOGRAFIA DO VOTO NAS ELEIÇÕES DE 2018 PARA A CÂMARA DOS DEPUTADOS

Autores

Palavras-chave:

Geografia do voto, Eleições, Deputados federais

Resumo

O artigo estuda a geografia do voto dos deputados federais eleitos em 2018 no Brasil, por meio de uma análise exploratória de dados, classificando-os em quatro diferentes padrões espaciais de votação, e analisando os resultados a ní­veis estaduais, regionais e partidários. Além disso, compara os dados obtidos com as eleições de 1998, identificando as mudanças ocorridas no perí­odo. Verificou-se que ainda existe uma grande variação na distribuição de frequências dos padrões de votação em todo o paí­s, tanto do ponto de vista estadual quanto regional, e além disso, o padrão geral de votação vem se tornando cada vez mais fragmentado e menos concentrado, o que indica uma diminuição da distritalização das eleições brasileiras.

Biografia do Autor

Diego de Oliveira Machado, Câmara dos Deputados

Analista Legislativo da Câmara dos Deputados. Especialista em Polí­tica e Representação Parlamentar e Mestrando em Poder Legislativo pelo CEFOR.

Referências

AMES, B. Os entraves da democracia no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

BRASIL. TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL. Repositório de dados eleitorais, 2021. Disponível em: https://www.tse.jus.br/eleicoes/estatisticas/repositorio-de-dados-eleitorais-1. Acesso em: 25 abr. 2021.

BORGES, A.; PAULA, C.; SILVA, A. N. Eleições legislativas e geografia do voto em contexto de preponderância do Executivo. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, vol. 24, nº 58, p. 31-58, 2016. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-44782016000200031&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 25 abr. 2021.

CARVALHO, N. R. Geografia política do voto e comportamento legislativo no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Revan, 2003.

DIAS, J. L. M. Legislação Eleitoral e Padrões de Competição Político Partidária, in O.B. Lima Jr. (org.) Sistema Eleitoral: Teoria e Prática. Rio de Janeiro, Rio Fundo Ed, pp. 65-95, 1991.

FLEISCHER, D. V. Concentração e Dispersão Eleitoral; Um Estudo da Distribuição Geográfica do Voto em Minas Gerais (1966-1974). Revista de Ciência Política. Curitiba, v. 19, n. 3, p. 15-36, 1976.

HALL, P.A.; TAYLOR, R.C.R. As três versões do neoinstitucionalismo. Lua Nova. São Paulo, n. 58, p.193-223, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ln/n58/a10n58.pdf. Acesso em: 25 abr. 2021.

INDJAIAN, M. L. Análise preliminar da bancada federal paulista eleita pelo MDB em 1978. São Paulo, Relatório parcial de pesquisa apresentado à FAPESP, 1981.

LEMOS, L. B. de S. O Congresso Brasileiro e a distribuição de benefícios sociais no período 1988-1994: uma análise distributivista. DADOS, Rio de Janeiro, v. 44, n. 3, p. 561-630, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0011-52582001000300004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 25 abr. 2021.

MARTINS, C.E. A Reforma do Sistema Eleitoral, DADOS, Rio de Janeiro, v.26, n. 2, p.141-153, 1983.

MAYHEW, D. R. Congress: the electoral connection. New Haven: Yale University Press, 1974.

MONTEIRO, J.M.; JÚNIOR, E. M. A Representação de quem? Partidos e oligarquias no Nordeste. Revista NEP - Núcleo de Estudos Paranaenses da UFPR, Curitiba, v. 5, nº 2, 2019. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/nep/article/view/70862/40025. Acesso em: 08 set. 2021.

SANTOS, D. A. Geografia do voto: breves apontamentos. I Seminário Internacional de Ciência Política: estado e democracia em mudança no século XXI. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, set. 2015. Disponível em: https://www.ufrgs.br/sicp/wp-content/uploads/2015/09/DiegoSantos.pdf. Acesso em: 25 abr. 2021.

Publicado

2022-03-14

Como Citar

Machado, D. de O. (2022). GEOGRAFIA DO VOTO NAS ELEIÇÕES DE 2018 PARA A CÂMARA DOS DEPUTADOS. E-Legis - Revista Eletrônica Do Programa De Pós-Graduação Da Câmara Dos Deputados, 15(37), 208–223. Recuperado de https://e-legis.camara.leg.br/cefor/index.php/e-legis/article/view/745

Edição

Seção

Dossiê Sistema Polí­tico Brasileiro - CEFOR / IMPA / EPRG-UnB