A POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO COMO INSTRUMENTO ESTRATÉGICO DE GESTÃO PARA O PARLAMENTO BRASILEIRO

Autores

  • Wilson Costa Bueno Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (USP)

DOI:

https://doi.org/10.51206/elegis.v14i36.700

Palavras-chave:

Polí­tica de Comunicação, Comunicação Pública, Parlamento Brasileiro, Comunicação Organizacional, Interesse Público

Resumo

A interação com os públicos estratégicos do Parlamento brasileiro tem como características básicas a complexidade e a diversidade de perfis e deve ser respaldada em uma Política de Comunicação, com diretrizes, princípios, ações e estratégias bem definidas a serem assumidas por todos os seus representantes. O artigo, respaldado em revisão bibliográfica que contempla, sobretudo, os conceitos de política de comunicação e de comunicação pública, resgata cases brasileiros de políticas de comunicação em empresas e organizações (em especial institutos federais e universidades públicas), propõe uma metodologia para a construção de uma Política de Comunicação para o Parlamento brasileiro.

Biografia do Autor

Wilson Costa Bueno, Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (USP)

Professor Sênior da Escola de Comunicações e Artes da USP, com mestrado e doutorado em Comunicação/Jornalismo pela USP. Já orientou mais de 120 dissertações e teses em Comunicação/Jornalismo em programas de pós-graduação. Autor de uma dezena de livros e e-books. Diretor da Comtexto Comunicação e Pesquisa, empresa de consultoria nas áreas de Comunicação Organizacional e Jornalismo Especializado.

Referências

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Polí­tica de Comunicação. 21/11/2019. Disponí­vel em: https://www2.camara.leg.br/comunicacao/conselho-de-comunicacao/politica-de-comunicacao. Acesso em 01/04/2021.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Entra em vigor a Polí­tica de Comunicação Social do Supremo Tribunal Federal. Brasí­lia. 13/04/2021. Acessí­vel em: https://www.cnj.jus.br/entra-em-vigor-a-politica-de-comunicacao-social-do-supremo-tribunal-federal/. Acesso em 20/04/2021.

DUARTE, Jorge; SILVA, Heloisa Dias da. Polí­tica de Comunicação e gestão empresarial: a experiência da Embrapa. Organicom. São Paulo: ECA/USP, v.4, n.6, 1º semestre 2007.

EMBRAPA. Polí­tica de Comunicação. 2ª Ed. Revista e ampliada. Brasí­lia/DF, 2002.

FIOCRUZ. Polí­tica de Comunicação da Fiocruz. 2017, p.11.

FIOCRUZ. Programa Integrado de Informação e Comunicação da Fiocruz/Fundação Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro, 2002.

IF GOIANO. Polí­tica de Comunicação. Goiânia. 2020. Disponí­vel em: https://suap.ifgoiano.edu.br/media/documentos/arquivos/Pol%C3%ADtica_de_Comunica%C3%A7%C3%A3o_FINAL.pdf. Acesso em 12/02/2021.

NORI, Walter; VALENTE, Célia. Portas Abertas. São Paulo: Cí­rculo do Livro, 1990.

STF. Polí­tica de uso de redes sociais. Brasí­lia. 24/04/2020. Disponí­vel em: http://portal.stf.jus.br/textos/verTexto.asp?servico=politicausoredessociais. Acesso em 19/04/2021.

STF. Polí­tica de Comunicação Social. Diário da Justiça Eletrônico. Brasí­lia. Número 68, 12/04/2021. Disponí­vel em : http://www.stf.jus.br/ARQUIVO/NORMA/RESOLUCAO730-2021.PDF. Acesso em 20/04/2021.

Publicado

2021-11-03

Edição

Seção

Dossiê Parlamentos e Comunicação Pública